Seguidores

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

PROERD CAPACITA PMs


Com nova metodologia, inspirada em avanços acadêmicos reconhecidos internacionalmente, o Programa Educacional de Prevenção às Drogas e à Violência (Proerd) celebrou 15 anos. Em seminário realizado semana passada, no Plaza São Rafael, em Porto Alegre, foram capacitados 550 policiais militares como instrutores do programa. 

Segundo o coordenador estadual do Proerd, major Cilon Freitas da Silva, o programa atingiu a marca de 1 milhão de estudantes atendidos. Segundo ele, a nova metodologia, denominada "Caindo na Real", busca preparar as crianças para a tomada de decisão perante uma situação de risco. "Buscamos que eles possam assumir uma posição orientada pelo pensamento quando depararem com oferta de drogas, exposição ou incitação à prática de atos de violência", explicou. Conforme um dos mentores do Proerd no RS, coronel Flávio Lopes, a juventude é comumente fragilizada pela impulsividade. "O programa serve para equilibrar o efeito desses impulsos naturais e saudáveis com um olhar mais responsável e racional." 

O Proerd hoje funciona em 451 municípios gaúchos em parceria com escolas públicas e privadas.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Pessoas que jogarem entulhos na frente de casa e áreas públicas serão multadas



A Patrulha Integrada de Proteção Ambiental (Pipa) de Esteio começa a atuar hoje no município. O grupo, formado por servidores da Guarda Municipal, da Brigada Militar, da Secretaria Municipal do Meio Ambiente e da Fiscalização de Trânsito, irá realizar a fiscalização de acordo com as leis de Emplacamento de Veículos de Tração Animal, de Postura e do Código Municipal de Limpeza Urbana. O objetivo da patrulha é apreender carroças sem placas, abordar e multar moradores que descartam entulhos em terreno irregular, promover conscientização em relação à cidade, entre outras ações que abordam as leis municipais. A fiscalização será realizada 24 horas por dia. O objetivo da lei, que prevê multas para o carroceiro que jogar entulhos em vias públicas ou terrenos baldios e disciplina a atividade, inclusive no que diz respeito ao cuidado com os cavalos, é chamar a categoria para ajudar na limpeza da cidade, oportunizar trabalhos de educação e conscientização e possibilitar a fiscalização. As novas medidas em relação aos entulhos se iniciaram em janeiro. A administração municipal deixou de cobrar a taxa de R$ 18,50 para recolhimento de materiais e limpou todos os locais que haviam solicitado o serviço antes de 4 de janeiro. Além disso, a prefeitura divulgou as ações junto à população sobre a nova postura e também promoveu atividades para conscientização. Quem tiver materiais para jogar fora deverá contratar um serviço de papa-entulhos ou enviar para locais adequados para descarte, como o Ecoponto da Vila Olímpica, na rua Taquara, 225. As pessoas que jogarem entulhos na frente de casa e áreas públicas serão notificadas. Se não recolherem o lixo serão multadas em até 108 UFRMS, R$ 311,63. Depois a prefeitura fará a limpeza do local e cobrará uma taxa para cada 12 metros cúbicos recolhidos.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Dois mortos e dois feridos em crime no bairro Guajuviras, em Canoas

Execução foi na noite deste domingo na Avenida 17 de Abril
Dois homens foram executados por volta das 21 horas deste domingo na Avenida 17 de Abril, a principal do bairro Guajuviras. Rene Marques Garcia, de 38 anos, que seria o dono da lancheria onde ocorreu o crime, morreu na hora. David da Silva, que até o momento não teve a idade confirmada pela polícia, chegou a ser socorrido mas morreu quando era atendido na UPA da Avenida Boqueirão.
De acordo com a Brigada Militar, outras duas pessoas teriam sido baleadas no mesmo crime. Elas foram encaminhadas para o Hospital de Pronto Socorro de Canoas (HPSC). Uma delas, uma mulher de 21 anos, levou um tiro no peito. Uma testemunha informou à polícia que dois homens chegaram de moto atirando. Ainda não há suspeitos do crime.

FIM DO PROJETO DE MORADIA PARA POLICIAIS



(ZERO HORA. Página 38) O corte no orçamento, anunciado em agosto pela prefeitura da Capital, deixou para trás um projeto de segurança pública que poderia ser implantado neste ano. Proposto pelo Estado, o policiamento comunitário, em que policiais militares residiriam nos bairros do Territórios de Paz, emperrou na necessidade de o município arcar com os aluguéis. Conforme o secretário estadual da Segurança Pública, Airton Michels, a prefeitura da Capital foi procurada no começo deste ano por ele para que a ideia de policiamento comunitário nos quatro Territórios de Paz – Restinga, Lomba do Pinheiro, Santa Tereza e Rubem Berta – tivesse a parceria do município. “Dependemos da prefeitura para o auxílio moradia, pois arcamos com os policiais, viaturas e equipamentos”, explica Michels. A proposta do governo estadual segue modelos já existentes em cidades como Caxias do Sul e Esteio. Policiais militares residiriam nos bairros considerados violentos. Na Capital, seriam 44 núcleos comunitários, com cerca de quatro PMs cada. O vice-prefeito Sebastião Melo disse que o município tem interesse no projeto, mas que não terá como arcar com os custos dos aluguéis neste ano, que seriam em torno de R$ 600 cada. “Esta parceria é bem-vinda, mas para este ano não sai. Em razão do orçamento, não tem como implementar”, diz o vice-prefeito. Melo afirma que a ideia não foi descartada pela prefeitura, que tentará encaixar a contrapartida em 2014. 

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Boneco vestido de brigadiano é pendurado em passarela da BR-116

Boneco foi pendurado em passarela.
Na quinta-feira, 21/11, servidores de nível médio da corporação não aceitaram as propostas de reajuste salarial e de plano de carreira em assembleia.
Um boneco vestido de brigadiano provocou transtorno no trânsito da BR-116, sentido interior-Capital, na manhã da sexta-feira, 22/11, em Canoas. Pendurado em uma passarela próxima à Avenid Boqueirão, o boneco desviou a atenção de motoristas que trafegavam no local, provocando lentidão no local.
A possível manifestação, semelhante a realizadas em 2011, que ainda não teve a autoria confirmada, é realizada um dia depois de cerca de mil servidores da Brigada Militar, em uma assembleia geral, decidirem rejeitar as propostas de reajuste salarial e de plano de carreira apresentadas pelo Palácio Piratini.


ZERO HORA
Acompanhe também matéria publicada no Jornal Correio do Povo
http://www.correiodopovo.com.br/Noticias/?Noticia=512607

Manifestação de Policiais Militares na Praça da Matriz

Policiais Militares de nível médio – soldados, sargentos e tenentes, da ativa e da reserva – rejeitaram, em votação unânime, a proposta do Piratini sobre a questão salarial, plano de carreira e a exigência de nível superior para ingresso na corporação. Cerca de 700 brigadianos, na representação das diversas regiões do RS, decidiram pela rejeição na assembleia geral da categoria, realizada quinta-feira última, na sede da ASSTBM (Associação dos Sargentos e Subtenentes e Tenentes). A decisão da categoria foi entregue, quinta-feira, às 17h, na Praça da Matriz, ao chefe da Casa Civil, Carlos Pestana. Sigam-me

Dentro desta moldura, os negociadores do Executivo manobram para que tudo ou quase tudo seja transferido para depois do Carnaval
(Coluna do Wanderley Soares- Jornal O Sul).

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

PROPOSTA SALARIAL A BRIGADA MILITAR

O Comando da Brigada Militar vem à presença dos integrantes da Corporação, em especial aos Brigadianos e Brigadianas da carreira de nível médio, a fim de expor, de forma objetiva e direta, seu entendimento acerca das negociações que envolvem a carreira.

Primeiramente, é importante resgatar que as entidades representativas da carreira de nível médio procuraram o Governo do Estado para apresentar sua pauta de reivindicações, cujos principais pontos eram: o estabelecimento de uma política salarial até 2018; a carreira única de soldado a coronel; ingresso com exigência de nível superior e modificações no RDBM.

O Governo, então, considerando a complexidade da pauta de reivindicações, constituiu Grupo de Trabalho composto por  representantes do Governo  e de entidades representativas do pessoal de nível médio (ABAMF, ASSTBM, AOfSBM, FERPMBM e ABERGS), com a participação também da AsOfBM. Visando a aceleração dos trabalhos, o GT passou a reunir-se diretamente com o  Comandante-Geral da Brigada e com os  Secretários da Casa Civil e da Segurança Pública.

Estas negociações, intensas, respeitosas e transparentes, culminaram com a apresentação da proposta que foi remetida a toda a Corporação no dia 18.11.2013, por e-mail funcional.

Após a remessa da proposta, o Comando verificou, em contato com diversos integrantes das diferentes carreiras e dos mais variados postos e graduações, que existem diferentes e, até mesmo, contraditórios entendimentos sobre o mérito do que foi consensuado na mesa de negociações. A tropa demonstra que existem não só insatisfações, naturais em qualquer negociação deste tipo, mas principalmente dúvidas quanto a algumas das alterações propostas. Verifica-se, por exemplo, que determinados pontos, ao mesmo tempo, agradam plenamente a alguns integrantes da carreira e trazem considerável insatisfação a outros.

Esta situação não contempla o interesse do Comando e nem do Governo, trazendo insatisfações para todos. O Governo e este Comando trabalham no sentido de que o fruto das negociações seja uma CONQUISTA para todos e não um RETROCESSO.

Em outros momentos destes 176 anos da nossa Brigada Militar tivemos episódios em que a falta de diálogo e comprometimento com os interesses da Corporação levaram nós, Brigadianos e Brigadianas, a uma situação de insatisfação extrema. Alguns destes episódios, especialmente nos anos 90, deixaram até hoje, no seio da tropa, um sentimento de desvalorização e desconsideração pela Instituição e por seus integrantes.

Tendo isto em mente, o Comando da Corporação vem à presença dos Brigadianos e Brigadianas  apresentar uma segunda alternativa para debate. A proposta do Governo, hoje, contempla muitos dos pontos da pauta e não retira direito algum. Entendemos que a proposta é, portanto, um avanço para todos os integrantes da carreira de nível médio. Porém, em face das dúvidas e insatisfações que se verifica em parte da tropa, o Comando propõe que seja analisada, pela Casa Civil, também, a possibilidade de que neste ano seja apenas encaminhada a proposta de reajuste até 2018, deixando a remessa de qualquer alteração na carreira para um momento posterior à realização de uma consulta a todos integrantes da Instituição acerca das propostas de mudanças na carreira em discussão. O Comando entende que, desta forma, será possível, realmente, consolidar o debate dentro da Brigada sobre as propostas apresentadas e verificar qual aquela que mais atende ao interesse dos Brigadianos e Brigadianas. E assim, continuaremos valorizando os homens e mulheres que integram  a nossa instituição de modo respeitoso e com transparência para debater um tema extremamente importante para a Corporação e para o Estado.



CORONEL FÁBIO DUARTE FERNANDES
COMANDANTE GERAL DA BRIGADA MILITAR

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Bullying - Humilhações sofridas no ambiente virtual são piores do que as ocorridas na escola



O caso da adolescente de 16 anos que se suicidou na última quinta-feira após ter fotos íntimas divulgadas na internet, em Veranópolis, comoveu a cidade e motivou os pais da vítima a alertarem as famílias sobre os riscos que as redes sociais podem oferecer.
Para a a psicóloga Carolina Lisboa, professora do programa de pós-graduação em Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), as humilhações sofridas no ambiente virtual são piores do que as que ocorrem em ambientes como a escola ou o trabalho: — Infelizmente a gente nota que casos como esse acabam muitas vezes em suicídio, e isso é muito grave. O que preocupa é que a internet tem essa audiência muito extensa, são milhões de pessoas, e há esse caráter atemporal, a situação de humilhação perdura no tempo. É uma violência que deixa muitas marcas. No bullying que é vida real, na escola, por exemplo, é ali no momento. Se levantam a blusa da garota no recreio, são quatro, cinco pessoas que veem e acabou. Não quer dizer que não seja ruim, mas tem um ponto final.