Seguidores

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Basta de violência contra as mulheres

Senhoras e Senhores


Segue o convite para a caminhada "Basta de violência contra as mulheres", em decorrencia da onda de homicidios cometidos no ultimo final de semana, quanto mais mulheres e homens conseguirmos mobilizar, melhor para demostrar a nossa força. A criatividade é livre, é um movimento apartidario. Pedimos que os participantes usem roupa Lilás ou branca.

Local: Brique da Redenção
Data: 02/09/12  as 10:30hs
em frente ao arco do expedicionario

Mobilize seus contatos!

Praça da cachaça


Foto destaque

Pavilhão da Agricultura Familiar vende mais de R$ 164 mil em apenas um dia
O Pavilhão da Agricultura Familiar registrou, nessa quinta-feira (30), o maior volume de vendas desde o início da 35ª Expointer. Com a ajuda do dia ensolarado, o comércio no pavilhão rendeu R$ 164.224,15. Desde o primeiro dia de feira, o espaço faturou R$ 627.724.
Um dos setores que mais provoca curiosidade no Pavilhão da Agricultura Familiar, a Praça da Cachaça é novidade nesta edição da Expointer. São sete agroindústrias que expõem cachaças, vinhos e licores de diversas dosagens e sabores. Todos fabricados em diferentes regiões do Estado com ingredientes naturais produzidos por famílias de pequenos agricultores.

Entre os produtos à venda, os mais comuns são as cachaças puras do tipo envelhecido ou branco. Os licores também são oferecidos com bastante variedade, desde os tradicionais, como de chocolate e café, até alguns mais ousados, como erva-mate, canela, damasco e mel com gengibre. Vinhos, caipirinhas prontas e cocktails também fazem sucesso na degustação e nas compras. Os kits com copos e cestas rústicas chamam a atenção e embelezam os estandes.

Expositor das agroindústrias Velho Alambique e A Locomotiva, Ivandro Remus aprovou o novo espaço: "estive presente em todas as edições da Expointer e essa praça é uma conquista. É o tipo de estrutura que faz sucesso em feiras temáticas", comemora.

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Fábrica da contravenção



A Brigada Militar de Sapucaia do Sul descobriu um local onde se realizava a montagem de máquinas caça-níqueis destinadas para a região de Sapucaia do Sul, Esteio e São Leopoldo.
A ação ocorreu depois que agentes da seção de inteligência do 33º Batalhão de Polícia Militar monitoraram o local, situado na Rua Teresina, na divisa de área com a cidade de São Leopoldo no loteamento Bela Vista. Os policiais do Pelotão de Operações Especiais foram acionados e interditaram o local.
No total foram apreendidas 65 placas mãe, 70 fontes, vinte monitores e diversos componentes para montagem de máquinas caça níqueis.
Durante a ação duas pessoas foram presas e responderão por contravenção penal.


Virou bicho

Homem morde dois policiais ao ser preso em Alvorada Divulgação/Polícia Civil
Policiais mostram ferimentos de mordidas
 Foto: Divulgação / Polícia Civil


Homem morde dois policiais ao ser preso em Alvorada. Suspeito usou os dentes para tentar fugir

Três policiais foram surpreendidos ao realizar uma prisão na manhã desta quarta-feira, no Bairro Jardim Porto Alegre, em Alvorada. Depois de ser encurralado pelos agentes da 1ª DP de Alvorada, o suspeito de 20 anos, tentou fugir mordendo os policiais, mas não teve sucesso.
- Primeiro ele me acertou um soco quando tentei algemá-lo, depois, ao tentar fugir e ser segurado pelos agentes, atacou com mordidas. Eu nunca tinha visto algo parecido - disse o delegado Maurício Barcellos.
Ele é suspeito de integrar um bonde que teria assassinado Ernani de Oliveira Garcia, 21 anos, na saída de um baile funk em junho deste ano. Em 2011, ele teria cometido ainda outro homicídio no município. Douglas teve a prisão preventiva cumprida nesta manhã.

A resistência da criminalidade no Estado e sua relação direta com o consumo e o tráfico de drogas



O AUMENTO DA CRIMINALIDADE (EDITORIAL . Zero Hora, 30/08/12, página 20).

 A resistência da criminalidade no Estado, mesmo com a intensificação de ações das forças policiais, é um fenômeno preocupante para os gaúchos, que só podem se sentir ainda mais inseguros quando confrontados com as estatísticas oficiais. Se nem mesmo a força-tarefa da Brigada Militar e o aprofundamento das investigações pela Polícia Civil são suficientes para deter o avanço da violência, é preciso que as autoridades da área de segurança pública reforcem sua estratégia, permitindo que os gaúchos voltem a se sentir menos atemorizados com a livre atuação de criminosos. Dados da Secretaria da Segurança Pública revelam que, de janeiro a julho, o total de homicídios no Estado aumentou 15,1%, em comparação com igual período do ano passado. No mesmo período, o número de roubo de veículos cresceu 5,1%, ao mesmo tempo em que o de posse e tráfico de drogas ampliou-se de forma considerável. Mais uma vez, confirma-se na prática o quanto crimes contra a vida estão geralmente associados a drogas ilícitas e a ataques contra condutores de veículos. Qualquer combate eficaz contra o crime, portanto, precisa levar em conta esses dois aspectos.Autoridades de segurança reconhecem a gravidade dos dados, mas admitem que alguns percentuais chegaram a se mostrar ainda mais elevados. A particularidade de, agora, mesmo altos, estarem com tendência de queda indicaria que a força-tarefa dos policiais teria começado a dar resultados nos últimos meses. É pouco, porém, para servir de consolo, ainda mais levando-se em conta que essas operações têm prazo para terminar.O que o Estado precisa garantir são providências de impacto contra o crime, tanto de caráter preventivo quanto repressivo, que acenem com respostas imediatas e a longo prazo. Os gaúchos não podem se conformar com a perspectiva de que o avanço na criminalidade deve ser visto como inevitável, pois é possível, sim, detê-lo com ações firmes.

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Vote contra a liberação das drogas

O PRAZO DE VOTAÇÃO SE ESGOTA NO DIA 30 DE AGOSTO.

Caso você ainda não tenham votado, faça isso agora, pois estamos prestes a ser coniventes com a aprovação de um Projeto de Lei que colocará por terra todo o esforço que temos feito até aqui, para manter as pessoas que amamos longe das drogas.


Aprovar a produção e o porte de drogas para consumo próprio, não é, de maneira alguma, promover a redução do uso e o tráfico de drogas e sim promover o fácil acesso a estas práticas que bem sabemos tantas perdas acarreta.
Lembrem-se, quem não se compromete com o que pode fazer para evitar, se torna conivente com as consequencias. VOTE CONTRA.
Não se faz experiência com VIDAS HUMANAS e é isto que este Projeto de Lei quer fazer. As cobaias podem vir a ser nossos filhos, netos, esposo, namorado, esposa, namorada, pai, mãe......

Entre no site do Senado Federal:


http://www.senado.gov.br/noticias/DataSenado/

É só ir ao lado direito da tela


Assinale CONTRA


Depois clique em “responder”. Note que aparecerá um número o qual deverá ser digitado no quadrinho em branco para confirmar seu voto.

Famílias e professores contam com a união de todos nesta votação.
O Movimento Amor-Exigente que trabalha gratuitamente na prevenção e recuperação da dependência química apoia o VOTO CONTRA.
Estamos perdendo em larga escala, mas ainda podemos reverter esta situação.
Vote e repasse para o maior nº possível de contatos. Peça o voto CONTRA.

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Médicos são indiciados por negligência em morte por Gripe A


Profissionais do Hospital Montenegro irão responder por homicídio culposo


Dois médicos de Montenegro, no Vale do Caí, foram indiciados pela morte de um adolescente por Gripe A no mês passado. Para a polícia, houve negligência no atendimento do paciente, que procurou o Hospital Montenegro quatro vezes antes de morrer e em nenhuma delas recebeu Tamiflu, o medicamento indicado.

Acompanhado da família, Paulo Geovane de Souza, 15 anos, procurou o hospital pela primeira vez no dia 8 de julho com quadro de gripe, dores no corpo e na cabeça, tosse e falta de ar. Foi atendido e liberado. Nos dias que se seguiram a situação dele piorou, e o adolescente buscou atendimento nos dias 14, 15 e 16 de julho, quando finalmente foi internado.

De acordo com o delegado Marcelo Farias Pereira foi somente no último atendimento que os médicos decidiram pedir um exame para analisar se Paulo tinha Gripe A .

— Além disso o hospital comprovou que havia o medicamento necessário em estoque e a orientação da Secretaria da Saúde do Estado era de que em casos de suspeita da doença o Tamiflu deveria ser administrado. Houve negligência por parte dos médicos — ressalta Pereira.

O paciente morreu no dia 17 de julho. Moradores da localidade de Faxinal, no interior do município, os pais registraram ocorrência policial. O caso foi remetido à Justiça e também alvo de uma sindicância do Conselho Regional de Medicina. O delegado optou por não revelar os nomes dos médicos indiciados para não atrapalhar o andamento do processo.

— Entendo que não há necessidade de revelar os nomes. Em depoimento os médicos alegaram que o quadro do adolescente não apresentava os sintomas da Gripe A — explica.

A direção do Hospital Montenegro pediu à empresa que presta serviços médicos no local o afastamento dos profissionais.

— Estamos de certa forma tranquilos porque do ponto de vista estrutural nada faltou ao paciente. Tinha enfermeiros, médicos, Tamiflu, tudo que aquilo que daria retaguarda ao paciente. Como é uma questão de ato médico, precisamos que o Cremers tome suas providências e depois disso vamos tomar as medidas necessárias — afirma o diretor, Carlos Batista da Silveira.

10 anos de fundação do 24º Batalhão de Polícia Militar de Alvorada/RS


Na terça-feira, 21/08, no restaurante Pousada da Figueira, foi realizada uma cerimônia para comemorar 10 anos de criação do 24º Batalhão de Policia Militar (24ºBPM).
O comandante do Comando de Policiamento Metropolitano (CPM), Coronel SILANUS SERENITO DE OLIVEIRA MELO e o Chefe do Estado Maior do CPM, Tenente Coronel FLORIVALDO PEREIRA DAMASCENO e o atual comandante do 24º Batalhão de Polícia Militar Tenente Coronel JÚLIO CÉSAR ROCHA LOPES, participaram da cerimônia que recepcionou dezenas de autoridades, civis e militares, que foram prestigiar a festa de aniversário de 10 anos da criação do batalhão que é datado em 21 de agosto de 2002.
Durante a cerimônia as autoridades que estavam na mesa principal destacaram a eficiência do policiamento das ruas que o efetivo do 24º BPM faz, bem como a significância dos projetos sociais que são executados em Alvorada. Um dos pontos emocionantes da cerimônia foi o ato das entregas de menções honrosas aos PMs que se destacaram ao decorrer do ano em suas atividades de policiamento, administrativa e nos atendimentos das ocorrências. Após os convidados participaram do almoço de confraternização no restaurante no local onde foi realizado o evento.
 
Além do comandante do 24º BPM estavam presentes o vice-prefeito de Alvorada, Giovani Garcia, a juíza diretora do foro local, doutora Narra Saraiva, os comandantes dos batalhões que compõem o CPM, o presidente da Associação Comercial e Industrial de Alvorada, Mauricio Cardoso, dois ex-comandantes do 24º BPM, profissionais da imprensa, membros da comunidade civil e da brigada militar. 

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

33º BPM em palestra preventiva ao SENAI



Ocorreu no dia  23 de agosto de 2012, no Auditório do Centro de Educação Profissional SENAI de Eletromecânica de Sapucaia do Sul, ao 33º Batalhão de Polícia Militar, através palestra, conversou com os alunos daquela instituição.
O encontro foi organizado pelo SENAI e faz parte da semana interna de prevenção de acidentes de trabalho, SIPAT, destinada a reflexões sobre segurança do trabalho e demais área da vida dos alunos, neste caso relativo à prevenção ao uso de drogas.
O 1º Sargento Geverson Aparício Ferrari, ficou responsável por falar os jovens em dois grupos, pela manhã e durante à tarde.
Como novidade, o SENAI de Sapucaia do Sul disponibilizou, para alunos com necessidades especiais, a senhora Simone de Souza Chimini Hollebem, tradutora intérprete de língua brasileira de sinais, que colaborou com a palestra.
O sargento Geverson Ferrari, também falou sobre as ações preventivas que a Brigada Militar de Sapucaia do Sul está realizando na cidade, dentre elas o quartel tri-legal, o Programa de Resistência às Drogas e a Violência, Informativo do 33º BPM, Conselho de Segurança Escolar e Programa de Rádio Comunitário.
Estima-se que nas duas palestra-se se atinja um total de 200 jovens na assistência.

Muita chuva no começo da 35ª Expointer no Parque de Exposições Assis Brasil em Esteio/RS


Evento se estende até o dia 2 de setembro

Esteio  - Começou, às 9 horas deste sábado, a 35.ª Expointer, vitrine mundial do agronegócio. Cerca de oito mil animais, representando mais de 150 raças, estarão reunidas no Parque de Exposições Assis Brasil até dia 2 de setembro. A expectativa dos organizadores é que a feira supere 2011 e movimente direta e indiretamente, ao longo dos nove dias, mais de R$ 1,86 bilhão em negócios (entre vendas e financiamento).

Conforme o secretário da Agricultura, Pecuária e Agronegócio do Estado, Luiz Fernando Mainardi, a feira terá como destaques de vendas os setores de máquinas e implementos agrícolas, cavalos crioulos e produção da agroindústria familiar, além de ter foco especial no incentivo à irrigação. “A Expointer é palco da afirmação da nossa produção primária e com certeza os produtos agrícolas e pecuários serão valorizados.”

São esperados mais de 500 mil visitantes no parque que terão a oportunidade de apreciar exemplares de bovinos de corte e de leite, gado de dupla aptidão, bubalinos, equinos, ovinos, suínos, caprinos, pássaros, aves, chinchilas e coelhos, além de maquinários agrícolas e novidades no campo da saúde animal.

Incentivo à conservação do Pampa

Com o objetivo de incentivar a conservação dos campos nativos do Pampa e, ao mesmo tempo, proporcionar a produtores rurais a concessão de incentivos financeiros ou fiscais, ocorre, na próxima segunda-feira, das 9h30 às 12h30, no Auditório Central, um seminário para apresentar a proposta que envolverá Brasil, Uruguai, Argentina e Paraguai.

Experiência - Com 34 anos de Expointer, o administrador da Cabanha Nica, de Glorinha, Amaro Fritz Machado, está passando toda a sua experiência para a jovem estudante de veterinária Érica Oliveira, 21 anos. “Isso aqui faz parte da minha vida. Tenho 18 vacas campeãs na minha história”, conta o criador de vacas holandesas. Érica, por sua vez, já está encantada: “É a primeira vez que venho e estou apaixonada pela Expointer”.

BRIGA PELO DIREITO DE INVESTIGAR


MAIS UM ROUND NA BRIGA PELO DIREITO DE INVESTIGAR (Zero Hora - Página 30) Enquanto a lei segue inalterada no Congresso e o tema não é pacificado na Justiça, a Polícia Civil e o Ministério Público (MP) continuam em guerra pelo direito de investigar crimes no Rio Grande do Sul. As relações entre as duas instituições voltaram a azedar na quinta-feira depois de oito suspeitos, presos por tráfico de drogas em uma operação do MP em parceria com a Brigada Militar, serem liberados na 3ª Delegacia de Pronto Atendimento da Polícia Civil, na Capital. Embora a delegada Ana Luiza Caruso tenha justificado a medida sob o argumento de ilegalidades na captura dos suspeitos, afirmando que a BM não poderia cumprir mandados de busca e monitorar conversas telefônicas, para o MP o motivo da soltura faz parte de uma postura bem mais abrangente: um ranço da Polícia Civil pelo fato de o MP ter realizado a investigação. Independentemente de quem tem razão, o assunto é polêmico e gera debates pelo país. Na Câmara dos Deputados, uma comissão especial discute a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 37, que dá poderes de investigação exclusivos para as polícias Civil e Federal. E, no Supremo Tribunal Federal (STF), tramitam ao menos oito ações diretas de inconstitucionalidade sobre o tema. “A Constituição não diz expressamente que o MP pode investigar, mas deu poderes para denunciar crimes, e existem duas decisões da 2ª Turma do STF entendendo que, se o MP tem poderes para acusação, precisa dos meios para isso. Assim, implicitamente, poderia investigar”, diz o advogado Otávio Piva, professor de Direito Constitucional das escolas superiores da Magistratura, da Magistratura Federal e a do Ministério Público. Segundo Piva, a Corte ainda não se posicionou em definitivo e, enquanto o Plenário do STF não julgar, seguirá a confusão. Particularmente, Piva entende que o MP está certo: “É preciso abrir mão dessa briga de beleza para o bem da sociedade”. Alexandre Wunderlich, também advogado e professor de Direito Penal e Constitucional na PUCRS, é contra o MP investigar, mas admite que essa posição tem sido derrotada no STF e no Tribunal de Justiça do Estado. Mesmo avesso ao poder investigativo do MP, Wunderlich afirma que, quando vai a campo, o MP faz um trabalho mais qualificado do que o dos policiais. “No MP, os controles são mais rígidos, os advogados se sentem mais seguros, não ficam tão vulneráveis, sem negativas de acesso aos autos. A estrutura do MP é mais organizada, talvez porque seleciona o que vai investigar, enquanto a polícia tem de atuar em tudo”, afirma o criminalista. Conforme o sociólogo Juan Mario Fandino, do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), a briga só traz prejuízos: “Quando isso acontece, a sociedade se sente menos protegida e passa a confiar menos nas instituições de segurança”. PORTO ALEGRE

O QUE PENSAM:

CORONEL SERGIO ROBERTO DE ABREU, COMANDANTE-GERAL DA BRIGADA MILITAR: “Não vejo ilegalidade da BM em cumprir mandados, pois há um termo de cooperação de combate à criminalidade firmado pelo governador do qual fazem parte a BM, a Policia Civil e o MP. A BM não faz investigação criminal, nem escutas, a não ser quando faz parte de uma estrutura conveniada como a existente”.

RANOLFO VIEIRA JUNIOR, CHEFE DA POLICIA CIVIL: “Não tenho conhecimento do caso e por isso não posso avaliar se a decisão dela (delegada que liberou presos) foi certa ou errada. O promotor já me ligou antes, mas eu disse que não posso obrigar um delegado a lavrar ou não flagrante, como não posso ligar para ele pedindo para denunciar ou não alguém”.

MARCELO DORNELLES, SUBPROCURADOR-GERAL PARA ASSUNTOS INSTITUCIONAIS DO MP: “Vejo esse assunto com muita preocupação. Isso tem acontecido de forma reiterada. Duas vezes eu liguei direto para  o chefe de Polícia e isso nunca se resolve. Vou procurar a Secretaria da Segurança Pública. O prejuízo é da sociedade.Está muito clara a postura de ser contra o trabalho do Ministério Público ajudado pela Brigada Militar. É uma disputa de classe pelo poder de investigar”.