Seguidores

sexta-feira, 30 de março de 2012

MORTE DE REFÉM - Justiça aceita denúncia contra três delegados


MORTE DE REFÉM - Justiça aceita denúncia contra três delegados - Agricultor sequestrado morreu em operação desastrada da polícia, que vitimou também um PM - (Zero-Hora. PAG 46) - A 1ª Vara Criminal de Gravataí aceitou a denúncia do Ministério Público Estadual contra 12 pessoas envolvidas na morte de um refém, numa desastrada operação policial ocorrida em 21 de dezembro de 2011, em Gravataí, na Região Metropolitana. Entre os denunciados, estão o delegado gaúcho Leonel Fagundes Carivali, os delegados do Paraná Danilo Zarlenga Crispim e Renato Bastos Figueiro e o investigador do mesmo Estado Fábio Lacerda Gusmão. No caso do delegado Carivali, a juíza Eda Salete Zanatta de Miranda aceitou a denúncia do MP contra ele pela morte do agricultor Lírio Darcy Persch, 50 anos. Os policiais civis do Paraná foram denunciados por omissão penalmente relevante com relação ao crime de extorsão mediante sequestro (como o fato de a polícia gaúcha não ter sido avisada da ação paranaense). Além disso, a juíza determinou a prisão preventiva de cinco suspeitos de terem participado do sequestro do agricultor. Outros três suspeitos de participarem da ação já tinham contra si mandados de prisão preventiva. Eles foram presos após operação da Polícia Civil, que resultou no estouro do cativeiro, em Gravataí, onde estava o agricultor morto e um amigo, Osmar José Finkler, que acabou sendo libertado. Em janeiro, o delegado Leonel Carivali pediu exoneração do cargo de diretor da 1ª Delegacia Regional Metropolitana. O ofício foi encaminhado ao chefe de Polícia, delegado Ranolfo Vieira Júnior, que informou que acatou a solicitação. O motivo do pedido de exoneração do cargo se deve, segundo o ofício, ao seu indiciamento, que teria deixado sua permanência na função inviável. No dia 20 de janeiro, Carivali foi indiciado pela Corregedoria da Polícia Civil pela morte do agricultor. No dia 13 de janeiro, em entrevista a Zero Hora, o delegado gaúcho alegou legítima defesa, dizendo que disparou em resposta ao tiro dado pelo sequestrador.  JOCIMAR FARINA
ENTENDA O CASO
- Na noite de 20 de dezembro de 2011, três policiais civis do Grupo Tigre do Paraná chegam ao Rio Grande do Sul para investigar uma quadrilha que mantinha em cárcere privado dois agricultores moradores daquele Estado.
- Em uma viatura discreta, procuram pelo cativeiro em Gravataí, na Região Metropolitana. No bairro Morada do Vale II, eles cruzam com o sargento Ariel da Silva, à paisana, que estava de folga e em uma motocicleta. Após desconfiança mútua, teria ocorrido uma troca de tiros. Cinco deles atingiram o PM. Um laudo pericial do Instituto-geral de Perícias (IGP) revelou posteriormente que o sargento havia ingerido álcool antes de morrer.
- Os policiais civis paranaenses, que estiveram envolvidos na morte do sargento Ariel da Silva, na madrugada daquele dia, tiveram prisão preventiva decretada. O inquérito que investiga a morte do PM ainda não foi concluído.
- Uma segunda equipe do Paraná, com quatro agentes, chega a Gravataí para continuar as buscas aos reféns. São seguidos pela Polícia Civil gaúcha. A Brigada Militar não é informada da ação. Os carros discretos dos policiais civis chama a atenção de moradores, que ligam para o telefone 190.
- PMs abordam os policiais na Rua Doutor Luiz bastos do Prado. Em seguida, um Corsa com placas procuradas pelos agentes começa a sair de ré da garagem de um sobrado com cinco pessoas em seu interior (três bandidos e dois reféns).
- Os sequestradores deixavam o cativeiro, após receberem o resgate, para libertar os agricultores.
- Os policiais identificam as placas do carro e correm em direção à casa. O delegado Carivali afirmou que atirou após um dos criminosos ameaçar sacar uma arma. O tiro atingiu o agricultor Lírio Persch, que acabou morrendo

quinta-feira, 29 de março de 2012

A Corregedoria da Brigada Militar divulgou ontem o resultado de 26 inquéritos que apuraram 77 protestos realizados por PMs no Rio Grande do Sul entre agosto e setembro de 2011

BM IDENTIFICA 21 PMs QUE SE REBELARAM (ZERO HORA. PAG 45 COM FOTO) – Manifestações, como queima de pneus e ameaça, ocorreram entre agosto e setembro de 2011. A Corregedoria da Brigada Militar divulgou ontem o resultado de 26 inquéritos que apuraram 77 protestos realizados por PMs no Rio Grande do Sul entre agosto e setembro de 2011. Foram identificados e indiciados por transgressão disciplinar 21 policiais. Desse total, 13 também responderão por infrações penais. Conforme a investigação, o motivo inicial da manifestação foi a questão salarial, mas apurou-se que, em seguida, grande parte dos casos passou a envolver questões políticas e particulares contra a corporação. Segundo o coronel-corregedor, João Gilberto Fritz, um inquérito geral centralizou todas as informações apuradas a partir do dia 26 de agosto do ano passado. Entre os 21 brigadianos identificados, há sargentos, e soldados. Além disso, 20 são da ativa e um está na reserva. O processo está no Ministério Público Militar e, segundo o coronel Gilberto, agora serão decididas três questões sobre o caso. A denúncia em si, se alguns casos também serão tratados como crimes comuns e ainda se os envolvidos serão expulsos da corporação. O primeiro protesto foi registrado no dia 4 de agosto em uma rodovia na região de Frederico Westphalen. A última manifestação ocorreu no dia 27 de setembro. Entre as 77 ocorrências, em uma delas havia explosivo e em quatro foram encontrados materiais que simulavam bombas. Em relação aos PMs envolvidos, três, por estarem há mais de cinco anos na corporação, têm estabilidade e respondem a um conselho de disciplina. Os outros 18 respondem a processo disciplinar, sendo que 13 também são acusados de crime militar. Além disso, dois foram presos este mês por também serem suspeitos de integrar grupo de extermínio em Alvorada. As infrações cometidas pelos PMs durante os protestos em 2011 são: dano ao patrimônio público, crime de incêndio, ameaça (contra o governador Tarso Genro), formação de quadrilha, crime ambiental devido à emissão de fumaça, falso testemunho e falso alarme. Foram quase quatro meses de investigação. A Brigada Militar só divulgou ontem o resultado para não prejudicar a negociação salarial entre PMs e o governo do Rio Grande do Sul e para evitar novas manifestações que pudessem afetar a segurança pública no Estado. Isso porque houve várias paralisações de PMs em outros Estados. ENTENDA O CASO - Os protestos começaram no dia 4 de agosto do ano passado como uma forma de reivindicação salarial. - Houve pelo menos 70 casos de queimas de pneus, com o bloqueio de estradas. - Diversos casos ocorreram pelo Interior desde então. No início foram tratados isoladamente, e a recomendação era de que cada batalhão apurasse as ocorrências na sua área. - Na madrugada de 15 de setembro, houve o primeiro protesto nas proximidades da Praça da Matriz, na Capital, quando um boneco fardado, amarrado a uma bomba falsa, foi abandonado no Viaduto Otávio Rocha (foto acima). - Oito dias mais tarde, duas bananas de explosivos, sem o detonador, foram deixadas em frente ao posto do 9° Batalhão de Polícia Militar na Rua Fernando Machado, em Porto Alegre, e continha ameaças diretas ao governador Tarso Genro.

Dois soldados do 18º BPM de Viamão conseguiram salvar a vida de Carla, 1 ano e 11 meses, que teve uma parada cardiorrespiratória

SOLDADOS SALVAM VIDA DE MENINA (Correio do POVO - PAG 27) – Dois soldados do 18º BPM de Viamão conseguiram salvar a vida de Carla, 1 ano e 11 meses, que teve uma parada cardiorrespiratória enquanto era levada ao Hospital de Viamão. O soldado Souza estava na sala do batalhão, quando recebeu uma ligação da mãe da menina pedindo ajuda, pois ela estava tendo uma convulsão. Souza, com o colega, soldado Goulart, trataram de levá-la para o hospital. No caminho, Souza percebeu que a menina teve parada cardíaca e realizou os primeiros socorros.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) definiu ontem que apenas o bafômetro e o exame de sangue servem como prova da embriaguez de um motorista e podem ser levados em consideração em processos criminais

LEI SECA PERDE FORÇA NA JUSTIÇA - Por decisão do STJ, só o teste do bafômetro e o exame de sangue valem como prova de embriaguez em processos criminais  (PAG 40) –  O Superior Tribunal de Justiça (STJ) definiu ontem que apenas o bafômetro e o exame de sangue servem como prova da embriaguez de um motorista e podem ser levados em consideração em processos criminais. A Justiça não aceitará mais como provas o depoimento de testemunhas ou o exame clínico, no qual a presença de álcool é atestada a partir de sinais exteriores, como desequilíbrio ou odor. A mudança enfraquece a chamada Lei Seca. A partir de agora, o motorista que se recusar a fazer o teste do bafômetro ou de sangue, o que é um direito de todo cidadão, não poderá ser acusado ou punido pelo crime de dirigir embriagado, mesmo que haja sinais evidentes de que está embriagado. A lei determina que é crime dirigir com uma quantidade de álcool acima de seis decigramas por litro de sangue. A decisão do STJ, por cinco votos contra quatro, deverá ser adotada por todos os tribunais do país. O desembargador convocado Adilson Macabu conduziu o voto vencedor. – Para os fins criminais, há apenas bafômetro e exame de sangue. Não se admitem critérios subjetivos. Mais de 150 milhões de pessoas não podem ser simplesmente processadas por causa de uma mera suspeita – disse Macabu. Na mesma linha, o ministro Og Fernandes foi incisivo: – Não é crime dirigir sob efeito de álcool. É crime dirigir sob efeito de mais de seis decigramas de álcool por litro de sangue. Na área administrativa, decisão não deverá produzir impacto - Com a decisão de ontem, no caso de haver processo criminal, o juiz poderá se amparar, para sua decisão, somente em prova resultante do bafômetro ou exame de sangue, mas na área administrativa a decisão do STJ terá pouco impacto, segundo especialistas gaúchos. A observação da autoridade continuará válida para a aplicação de multas de trânsito. São dois âmbitos diferentes. – Os tribunais do Rio Grande do Sul vinham considerando as provas testemunhais de forma equivocada. Para efeitos de caracterizar o crime de embriaguez ao volante, não valem. Quanto à infração de trânsito, não é necessário que se comprove teor alcoólico. Na parte administrativa continua a mesma coisa – afirma Nei Mitidiero, ex-juiz especializado em crimes de trânsito. Uma pessoa cambaleando ou com hálito que acuse o consumo de álcool não necessariamente consumiu quantidade proibida por lei, argumenta o advogado André Moura, especialista em trânsito e diretor-geral da Escola Superior de Ensino Jurídico do Instituto dos Advogados do Estado: – O processo administrativo difere do criminal. No administrativo, a recusa em fazer o exame de bafômetro enseja a autuação que vai desencadear um processo de suspensão do direito de dirigir.

quarta-feira, 28 de março de 2012

COMANDO DE POLICIAMENTO METROPOLITANO FECHA O CERCO AO ROUBO DE VEÍCULOS NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE

RECUPERAÇÃO DE VEÍCULO

CANOAS – 15º Batalhão de Polícia Militar  

Em 26 de Março de 2012, no Bairro Mathias Velho, Canoas RS, o veículo de placas ADO7934 FIAT/UNO MILLE ELECTRONI DE COR Branca, em ocorrência de FURTO no dia 26/03/2012 da cidade de Porto Alegre,

Em 26 de Março de 2012, Bairro São Luiz, Canoas RS, veículo de placas IGD9513 CAMINHÃO VW/16.170 BT DE COR BRANCA sendo que o veículo encontrava-se em um estacionamento, o proprietário do estacionamento foi conduzido à DELEGACIA DE PRONTO ATENDIMENTO para maiores esclarecimentos.

Em 26 de Março de 2012, na Rua Fernando Ferrari S/nº, Bairro Niterói Canoas – RS, uma viatura se deparou com o veiculo CHEVROLET/CELTA 1.0L LS de cor Preta, placa ISU2297, roubado em Viamão.
A guarnição efetuou a abordagem do veiculo tripulado por dois homens com antecedentes criminais por furto de veiculo, lesão corporal 2x, ameaça 5x, entorpecente tráfico 2x, desacato, porte ilegal de arma de fogo, vias de fato, lesão corporal, foi dada voz de prisão aos indivíduos e os mesmos foram encaminhados ao HNSG posterior até a DELEGACIA DE PRONTO ATENDIMENTO para ser efetuado o registro.

GRAVATAÍ – 17º Batalhão de Polícia Militar

RECUPERAÇÃO DE VEÍCULO – IBF 1906  – SÃO GERALDO:
Em 26 de Março de 2012, placa IBF1906 e constatou que estava em furto/roubo pelo sistema de consultas integradas, o veiculo, um Ford/Escort vermelho ano 1985 de cachoeirinha.

VIAMÃO – 18º Batalhão de Polícia Militar

Em 26 de março de 2012, Bairro Augusta em Viamão, uma guarnição do 18º Batalhão de Polícia Militar durante patrulhamento abordou e apreendeu um menor de 15 anos, com antecedentes por dano e furto, que estava em uma borracharia, trocando o pneu da moto de placas INV7215, HONDA/NXR150 BROS KS, preta, que encontrava-se em ocorrência de ROUBO.

Em 26 de março de 2012, Bairro Paraíso em Viamão, uma guarnição do 18º Batalhão de Polícia Militar localizou o veiculo I/FORD FOCUS HC FLEX de cor branca e placas IRN-3228, em ocorrência de roubo. O veiculo foi recolhido mediante guincho e apresentado na 2ª DP de Viamão.

ALVORADA – 24º Batalhão de Polícia Militar

Em 26 de Março de 2012, Bairro Cabral em Alvorada foi localizado o veículo FIAT/PALIO ANO 2008 MODELO 2009 PLACAS IPE6727 COR CINZA DE PORTO ALEGRE em ocorrência de Roubo totalmente queimado.

Em 26 de Março de 2012, Bairro Nova Americana em Alvorada,  foi localizado o veículo FORD/FIESTA SEDAN ANO 2006 MODELO 2007 PLACAS INP8134 COR PRETA DE CANOAS em ocorrência de Roubo.

CACHOEIRINHA – 26º Batalhão de Polícia Militar  

Em 26 de Março de 2012, Parque Brasília, Cachoeirinha, foi localizado o automóvel M. Benz/A 160, verde, placas ILA 6515, em ocorrência de Roubo. O veículo foi apresentado na 1º DP da Polícia Civil.

terça-feira, 27 de março de 2012

MENINA DE 13 ANOS ACUSA PADRASTO DE ESTUPRO


PADRASTO É PRESO ACUSADO POR MENINA DE 13 ANOS A MANTER RELAÇÕES SEXUAIS DESDE OS 8 ANOS DE IDADE NA CIDADE DE ESTEIO
 
A menina de 13 anos não agüentou mais e desabafou com a sua professora e orientadora pedagógica na escola onde estuda na cidade de Esteio. Desde seus oito anos de idade era obrigada a manter relações sexuais com seu padrasto, sendo a ultima na manha desta terça-feira, 26/03/2012.
A menina muito abalada foi encaminhada ao Hospital São Camilo e a Brigada Militar foi acionada. Compareceram no hospital a mãe da menina e seu padrasto ao qual foi dado voz de prisão pelos Policiais Militares por estupro de vulnerável.
Padrasto, mãe e menor foram encaminhadas a DELEGACIA DE PRONTO ATENDIMENTO de Canoas juntamente com as demais partes para registro e providencias.

sábado, 24 de março de 2012

Fúria de cães da raça Pitbul em Sapucaia do Sul/RS - Culpados ou Inocentes???


Na manhã 23/03, aproximadamente as 10h30, na Avenida Sete de Setembro, Bairro Santa Catarina, policiais do Pelotão de Motociclistas do 33º BPM foram abordados por populares que relataram que dois cães da raça Pit Bull estavam atacando um homem de 23 anos que havia entrado em uma residência.

Ao chegarem ao local, os policiais depararam-se com dois cães atacando um homem. Dois policiais civis, que estavam próximos, também apoiaram o socorro à vítima.

 No entanto, mesmo com os gritos dos policiais os cães não paravam de atacar o homem, ao efetuarem maior aproximação para tentar afugentar os animais, estes investiram contra as guarnições sendo necessário sacrificá-los.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência foi acionado. O homem foi identificado, ele já possuía cinco registros policiais por roubo a pedestre, furto e arrombamento a estabelecimento comercial, furtos qualificados, furto e arrombamento em estabelecimento de ensino, cinco registros por furto em veículo, porte ilegal de arma de fogo, dois registros por furto qualificado em fios elétrico. Ele segue sedado e em observação no hospital municipal Getúlio Vargas.

Como o homem não admitiu que houvesse pulado a cerca para furtar a residência, pois ele disse que queria comer goiaba, foi efetuado apenas o registro por invasão de domicílio contra ele.

sexta-feira, 23 de março de 2012

Policiamento Comunitário em Alvorada


Na sede da Associação dos Moradores do Porto Verde, em Alvorada, o comandante do 24º Batalhão de Polícia Militar (24º BPM), Tenente Coronel Júlio César Rocha Lopes, realizou uma reunião comunitária com os moradores daquela localidade na quinta-feira, 22-03, às 20h30min.

Visando a melhoria no policiamento do bairro, o comando do 24º BPM juntamente com a presidenta da associação de moradores do Porto Verde realizou a reunião para ouvir diretamente dos moradores as carências respeito à segurança pública do local. A reunião teve a presença de mais de 100 moradores abrindo espaço para apontamentos dos problemas locais e déias para estreitar o relacionamento da Policia Militar e a comunidade em busca de uma cultura de paz.

quinta-feira, 22 de março de 2012

POLICIAMENTO COMUNITÁRIO EM SAPUCAIA DO SUL


Durante o mês de março de 2012, a Brigada Militar de Sapucaia do Sul está instalação o policiamento comunitário na localidade conhecida como Colina Verde. Atualmente, no local se propagavam ponto de tráfico de drogas, foragidos, usuários de drogas.
A população moradora da comunidade clamava por ações positivas das instituições públicas na região. A Brigada Militar, por sua vez, desencadeou no inicio deste mês um processo de aproximação comunitária no bairro Colina Verde a fim de levar paz e ordem aos moradores. Assim, policiais foram empregados de forma ininterrupta com viaturas e motocicletas, para tanto Motociclistas do ROCAM e policiais do Pelotão de Operações Especiais estão atuando no local, para conhecer a realidade e conversar com os moradores a fim de diagnosticar a real problemática social e efetuar um policiamento preventivo.
A capitã Deise Kologeski, que responde pelo comando do 33º Batalhão de Polícia Militar (33º BPM), assim refere-se sobre a ação: “Identificamos, no local, pontos de tráfico de drogas que são responsáveis por vários crimes nas localidades adjacentes tais como furtos em gerais e roubo à pedestres e à comércio,  e já estamos tomando as medidas legais para ações pontuais nas casas apontadas como pontos de tráfico. As ações irão continuar por tempo indeterminado sempre interagindo com a comunidade passando credibilidade e confiança para os moradores e a real idéia de que a Brigada Militar está no local para ajudar a todos levando paz.